domingo, 13 de junho de 2010

Higiene Vocal


CUIDADOS COM A VOZ

Higiene vocal consiste de algumas normas básicas que auxiliam a preservar a saúde vocal e a prevenir o aparecimento de doenças. Indivíduos que para exercer a profissão dependem da sua voz, sendo esta seu instrumento de trabalho, e pessoas que apresentam tendência a alterações vocais devem ter cuidados redobrados.

Saúde Vocal
Todo Profissional da voz (ator, cantor, locutor, advogado, radialista, professor, etc) necessita apresentar hábitos saudáveis relacionados a sua fonação, já que a laringe é o seu instrumento de trabalho, sendo necessário a realização de uma boa higiene vocal.

Algumas dicas são preciosas para manter a voz sempre saudável.

Beba bastante água em temperatura natural (no mínimo 2 litros por dia) para manter as pregas vocais hidratadas e em boa condição de vibração.


Coma maçã!
A maçã possui propriedades adstringentes que auxiliam na limpeza da boca e da faringe, favorecendo uma voz com melhor ressonância.



Beba suco de frutas! Principalmente de frutas cítricas.





Evite usar roupas apertadas, principalmente nas regiões do abdômen, cintura, peito e pescoço, pois isso poderá dificultar a respiração.





Não use pastilhas, sprays, anestésicos sem orientação médica, pois para cada caso existe uma medicação específica, portanto, não se auto-medique nunca!



Evite alimentos gordurosos e "pesados“ antes das apresentações, pois dificultam a digestão.




Dê preferência aos alimentos leves e de fácil digestão -verduras, frutas, peixe, frango.




Procure dormir, no mínimo, 8 horas por dia.
Não durma de estômago cheio pois pode provocar refluxo gastresofágico que é altamente prejudicial às pregas vocais.




Evite ficar exposto por muitas horas em ambiente que utiliza ar-condicionado pois provoca o ressecamento das pregas vocais.
Em casos onde isso não for possível, procure estar sempre lubrificando as pregas vocais com água ou suco sem gelo.

Não cante se estiver doente!
Quando cantamos envolvemos todo o nosso corpo e gastamos muita energia, então recupere-se antes de voltar a cantar.





Evite ambiente com mofo, poeira ou cheiros muito fortes, principalmente se você for alérgico.




Evite a competição sonora, ou seja, falar ou cantar em lugares muito barulhentos.




Evite choques bruscos de temperatura.






Evite bebidas geladas.



Evite cochichar pois, ao contrário do que pensamos, no ato de cochichar submetemos nossas pregas vocais a um grande esforço provocando um desgaste muitas vezes maior do que se conversarmos normalmente.

É proibido gritar, pigarrear, falar durante muito tempo sem lubrificar as pregas vocais, fumar, ingerir bebidas alcoólicas antes de cantar para "melhorar" a voz.
IMPORTANTE!!!

Se você utiliza sua voz profissionalmente, é indispensável a consulta com um médico especialista para que ele possa fazer uma avaliação do seu aparelho vocal.

Não se esqueça de que o nosso "instrumento de trabalho" é único e merece toda a nossa dedicação e atenção.

Nossas pregas vocais são a nossa identidade, são nosso registro pessoal, portanto não se esforce para falar e/ou cantar músicas em tons que não lhes são confortáveis pois assim você estará prejudicando-as.

Orientações Gerais

Nos intervalos ficar sem falar ou falar pouco, e beber água.

Levar uma fruta para comer no intervalo. Comer uma maçã antes da atividade profissional da fala – devido as suas propriedades adstringentes – limpa a boca e a faringe, além de exercitar a mastigação, o que faz relaxar a musculatura da boca, contribuindo para uma articulação clara e precisa.

Hidroterapia: ingestão de água, de três a seis copos, duas a três horas antes do período de maior uso da voz, permite a diurese e coloca a mucosa numa condição vibratória excelente para a prática de exercícios de “aquecimento vocal”, favorecendo um aumento na resistência vocal.

Fazer sempre o aquecimento vocal prévio e o desaquecimento vocal ao término de suas apresentações.

Lembrete Final

Estas orientações são fáceis de serem seguidas e é importante que você as siga corretamente, para que se evite o aparecimento ou o agravamento de problemas vocais.

Antes de aparecer um problema mais sério em sua laringe, como os “calos” de pregas vocais muitos sintomas são experimentados: fadiga vocal, ardume, dor, tosse seca insistente, quebras da voz e períodos repetitivos de rouquidão (sem gripe).

Caso você experimente um ou mais destes sintomas de forma freqüente, procure uma ajuda especializada.

VOZ



Noções Básicas sobre a Produção do Som


O ser humano não apresenta um aparelho destinado exclusivamente para a fonação.



Para que consigamos produzir o som, recorremos a vários órgãos do nosso corpo que trabalham conjuntamente para viabilizar este processo.
São eles: o Aparelho Respiratório, a laringe, as pregas vocais, os ressonadores, (como a cavidade nasal, a cavidade craniana, a cavidade toráxica, a cavidade bucal e a faringe), os articuladores (língua, lábios, palato duro - "céu da boca"), palato mole, dentes e mandíbula.


Produção do Som


A produção do som acontece quando o ar, ao ser expirado,
passa pelas pregas vocais fazendo-as vibrar.

O som produzido na laringe é fraco, baixo e pobre em harmônicos, sendo modificado através das cavidades de ressonância, que têm um papel fundamental nesse processo.
Neste momento, entram em ação os articuladores que transformam a voz (som ) em fala (a voz articulada) daí a produção da palavra falada.


Como vemos, não cantamos ou falamos "pela garganta" como muitos pensam, e sim com todo o conjunto de órgãos que se interligam são os responsáveis diretos pela transformação do ar inspirado em som.


A esse conjunto de órgãos poderemos chamar de "Aparelho Fonador".

Fonação

video

VOCÊ SABIA QUE...


* Pregas vocais é o nome correto e não "cordas vocais", pois tratam-se de pregas de tecido fibro-elástico e muscular revestidas por uma mucosa.


* As pessoas que necessitam do uso mais intenso da voz, devem conscientizar-se que há um considerável gasto de energia neste evento, sendo de grande importância a ingestão de alimentos de fácil digestão antes das atividades vocais.


DISFONIA = Alteração na qualidade vocal

terça-feira, 1 de junho de 2010

A voz no teatro

A voz é o instrumento de trabalho do ator. O timbre vocal (sua qualidade natural) se enriquece com o aproveitamento de todo o seu potencial: respiração (modo, tipo respiratório e coordenação pneumofonoarticulatória), vibração das pregas vocais (controle adequado entre a musculatura das pregas vocais e a força de saída do ar expiratório), ressonância (equilíbrio do uso das cavidades de ressonância), articulação (abertura vertical de boca e dicção), projeção da voz (que depende de uma boa abertura de boca e ressonância equilibrada, com ênfase na região alta da face) e expressividade vocal.
“O ator é um artista que joga e inventa com as palavras; precisa tirar de sua voz o que ela tem de melhor (matizes, nuanças, voracidade, suavidade) como um verdadeiro instrumentista que manipula com virtuosidade e agilidade o seu instrumento musical. É, assim, um compositor vocal”
Domingos Sávio Ferreira de Oliveira
A preparação vocal do ator deve adotar procedimentos metodológicos específicos, e fornecer referências para o estabelecimento de correspondências entre o físico (musculatura) e o vocal (som), respeitando as características psicofísicas do indivíduo, além de adquirir uma propriedade para a aplicação técnica da voz na composição, com o objetivo de conscientizá-lo de seus recursos de expressão para que possa potencializar suas possibilidades de empenho no desenvolvimento da vocalidade no teatro.
Neste contexto, se fazem necessário ao ator, os conhecimentos técnicos e domínio sobre os seus instrumentais físico, vocal e criativo.

“Em cena, a função da palavra é a de despertar toda sorte de sentimentos, desejos, pensamentos, imagens interiores, sensações visuais, auditivas e outras, no ator, em seus comparsas e – por intermédio deles, conjuntamente – no público.”
Stanislavski, 1983

Flávia Layme
· Fonoaudióloga especialista em voz profissional e trabalha com atores há 15 anos;
Fonoaudióloga clínica do Hospital Otávio de Freitas; professora de voz da Escola Sesc de Teatro – Piedade; Preparadora vocal de várias peças teatrais; ministrou oficinas de Expressão Vocal no Circuito Pernambucano de Artes Cênicas de várias oficinas de expressão vocal;.